Blog

Silmara M. Reis de Almeida

Por que Procrastinamos?

por Silmara M. Reis de Almeida

Hoje ao terminar minhas leituras e reflexões sobre procrastinação, me deparei com um pequeno texto que me chamou muito atenção e resolvi compartilhar com vocês:

O Dilema
“Rir é correr risco de parecer bobo. Chorar é correr o risco de parecer sentimental. Buscar companhia é correr o risco de se envolver. Expressar sentimentos é correr o risco de ser ridicularizado. Amar é correr o risco de não ser correspondido. Ir em frente diante das imensas dificuldades é correr o risco de fracassar. Mas os riscos são necessários, porque o maior perigo na vida é não arriscar. Aquele que nada arrisca nada faz, nada tem, nada é. Esse indivíduo pode evitar o sofrimento e a dor, mas não consegue aprender, sentir, mudar, crescer ou amar. Somente aquele que arrisca é livre.” (autor desconhecido)

Ao ler esse texto pensei em quantas vezes procrastinei, isto mesmo procrastinei, deixei de cumprir atividades importantes no meu trabalho e até mesmo fugir de situações ótimas na minha carreira pura e simplesmente por medo. Nos momentos em que procrastinava pensava com pavor no medo de ser julgada, criticada, exposta e até mesmo ridicularizada. Pensava que se colocasse em prática alguma ideia, poderia ser frustrada pela não aceitação das pessoas ou por suas críticas, então simplesmente nem tentava.

A teoria Freudina, diz que todos os seres humanos são regidos pela busca do prazer em detrimento da dor, ou seja, buscamos sempre situações que nos gerem prazer e satisfação imediata para não sentir dor. Ao recordar esse aprendizado fez total sentido o comportamento de procrastinação. Procrastinar é sempre deixar para depois as ações e atividades importantes que por algum motivo nos incomoda ao ponto de adiar ou simplesmente não concluir. Esse motivo é o medo, procrastinamos por medo! O medo, com uma conotação negativa, é um sentimento de opressão que gera comportamentos de paralisia e esquiva, e como consequência passamos a adiar muitas coisas, conseguindo um alívio ilusório e um bem-estar temporário.

Mas quais são as consequências destes comportamentos? Se não cumprir com minhas responsabilidades, corro o risco de agravar meus sentimentos de opressão e angústia. Dessa forma, os medos que me levaram a comportamentos de paralisia e esquiva acabam se concretizando porque procrastinei!!!

Justamente como nas histórias de oráculos, tudo que faço para evitar o que estava pré-determinado (nos meus padrões de pensamentos) acaba por me levar as consequências desagradáveis que tentei evitar.

Como sair desta armadilha mental de procrastinação? Como lidar com meus medos e alcançar os resultados esperados?

1º. Busque o autoconhecimento
Buscar conhecer quem somos, as crenças, os valores e como essas impactam no nosso padrão de pensamento, principalmente, qual a eficácia da ação gerada por esse padrão de pensamento e gerando os resultados.

2º Identifique os pensamentos negativos
Detecte os ciclos de pensamentos negativos que geram o medo, você terá a oportunidade substitui-los por padrões de pensamentos positivos. Para isso é preciso a coragem de dar o primeiro passo, de olhar para dentro e revirar tudo, de ouvir o grande eu interior e fazer uma grande faxina.

Para ajudar na reflexão sobre o tema, apresento a seguir algumas dicas do livro “Engajamento Total” de Villela da Matta, Brian Tracy e Flora Victoria, que observo ter alcançado excelente resultados com alguns coachees. São orientações esclarecedoras para trabalha o medo e eliminar o comportamento de procrastinação:
• Elimine todos os pensamentos e críticas destrutivas de seu vocabulário: faça uma lista com palavras e pensamentos destrutivos que você costuma usar, depois faça uma lista de pensamentos e palavras positivas que podem neutralizar as destrutivas, feito isto faça um compromisso com você mesmo: toda vez que um pensamento ou palavras destrutivas vierem substitua-os pelos pensamentos e palavras positivas. Faça isto por 21 dias para desenvolver um novo hábito.
• Quando você se sentir bravo ou chateado com alguma coisa, diga imediatamente para si mesmo, enfática e rapidamente: “Eu sou responsável! ” Até que a emoção vá embora. E ela irá!
• Afaste de você o medo de cometer erros repetindo toda vez que achar necessário “O fracasso é só feedback – a única coisa necessária a se fazer é reduzir os danos e aprender com os erros”
• Repita várias vezes durante o dia “Eu consigo! ” “Eu sou capaz! ”
Você deve estar se perguntando: Como perceber minha procrastinação?
Sugiro que você comece com um exercício de autorreflexão respondendo as seguintes perguntas:
• Em quais momentos procrastino?
• Quais são os pensamentos e/ou sentimentos que me levam a procrastinar?
• O que começar a fazer pra mudar?
Se você quiser compartilhe comigo por email ou comente aqui no post suas decisões os resultados!